Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A evolução da tecnologia permite-nos ter no nosso bolso um equipamento extremamente poderoso, com capacidade de acesso em mobilidade a uma fonte inesgotável de informação e de registar e partilhar, de imediato, tudo aquilo que fazemos, pensamos ou sentimos. É o smartphone, um artefacto com capacidades que apenas há algumas décadas nem nas mais clarividentes ficções futurísticas seriam imagináveis.

 

Fui recentemente a um concerto, em que as pessoas pagaram um bom preço para poderem estar presentes, um momento supostamente único e irrepetível. E é com espanto que se constata que muitas das pessoas presentes passam mais tempo a olhar para o seu smartphone do que a usufruir do momento. A consultar as últimas das suas redes sociais, a expor ao mundo o esplendor da sua vida, a trocar mensagens ou a filmar o palco, a maioria das pessoas não estava verdadeiramente focada em usufruir do momento. Dividiam a sua presença entre a realidade do que estava a acontecer no local, e certamente que fizeram um esforço assinalável para poder estar lá, e a pequena janela para o mundo virtual que representa o seu smartphone. Ainda há poucos anos os turistas japoneses eram a chacota do mundo por se deslocarem sempre com as suas máquinas fotográficas em punho a fotografar tudo o que lhes aparecia pela frente. Pois hoje parece que nos tornámos todos em turistas japoneses, e não só quando fazemos turismo mas no nosso dia-a-dia habitual.

 

Todos nós estamos ainda em fase de aprendizagem sobre o que devemos fazer, e não devemos fazer, com tanto poder ao nosso alcance. Somos como crianças com um brinquedo novo e sem supervisão parental. A tecnologia está a fazer nascer uma nova forma de viver, e navegamos por territórios para os quais ainda não existe mapa. O que faremos no futuro com a tecnologia está a ser definido pela nossa utilização dessa tecnologia hoje, a cada momento. E para essa definição do que queremos do futuro, não nos podemos esquecer que a vida acontece, por enquanto, no mundo real. E não creio que no seu leito de morte alguém vá um dia lamentar não ter passado mais tempo da sua vida nas redes sociais.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D