Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As tecnologias de informação democratizaram o acesso a ferramentas de comunicação massiva. Hoje todos nós podemos potencialmente comunicar com, e tentar influenciar, milhões de outros seres humanos. Isto é algo de extraordinário, um superpoder que ainda há pouco tempo não existia ou que, mais recentemente, estava acessível apenas a alguns meios de comunicação. Ainda estamos portanto na infância da utilização destas ferramentas, estamos a aprender a utilizá-las e comportamo-nos um pouco como crianças a explorar um novo brinquedo sem qualquer supervisão parental.

 

O ruído é por isso gigantesco e com consequências nefastas. A verdade é um conceito que hoje está a tornar-se fluído e existe a tendência para se criarem ondas de “verdade,” ou muitas versões da “verdade”,  que tudo submergem. Porque, curiosamente, a democratização do acesso à comunicação tem a consequência inesperada o facto de diminuir o contraditório fundamentado ao colocar em igualdade todas as opiniões, esvaziando de significado a palavra verdade.

 

Com estas ferramentas que amplificam à escala mundial a opinião de cada um se assiste a um perigoso recuo da fundamentação da opinião baseada no conhecimento. Hoje todos acham que podem opinar sobre qualquer assunto, mesmo que não sejam especialistas ou que tenham dedicado apenas alguns minutos a analisar o tema. E a sua opinião tem exatamente a mesma oportunidade de atenção que a opinião de um especialista. E a opinião da maioria, não a opinião dos que conhecem do assunto, é a que submerge todas as outras. A primazia total da opinião da maioria sobre a de especialistas faz tanto sentido como se no início de cada voo o piloto fosse selecionado entre os passageiros por votação.

 

É preciso nunca abdicar, em nenhum momento, do único fundamento para o conhecimento: a ciência. Só que a ciência exige trabalho, exige tempo e, acima de tudo, exige que coloquemos as nossas opiniões ao seu dispor. A ciência exige a humildade de deixar as nossas convicções serem permanentemente questionadas e de admitir que a verdade pode ser diferente do que é a nossa convicção. Ao invés, cada vez, mais vivemos tempos em que a opinião se sobrepõe ao conhecimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D