Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



1 de novembro

02.11.18

Desde da morte do meu pai que nos dias 1 de novembro, o dia de todos os santos que por tradição utilitária acumulou com o dia dos fiéis defuntos, que é assinalado no dia 2 de novembro, me desloco ao cemitério da aldeia e assisto à cerimónia religiosa junto à campa de meu pai. Não o faço por religião, faço como um ritual pessoal para honrar a memória de meu pai, e de outros mortos da família, e como sinal de amizade para com os vivos. 

 

O padre era muito novo, talvez ainda nem sequer fosse padre, hesitante na oratória, pouco convincente na palavras. É timbre de qualquer padre saber falar com segurança e convicção independentemente do disparate que esteja a dizer. Neste caso, no jovem aprendiz essa qualidade, se é que se trata de uma qualidade, estava ausente. Talvez seja sinal da crise de vocação para o sacerdócio de que oiço falar. Mas algo ele titubeou que fez o seu sentido: a morte é certa, e esta peregrinação anual aos cemitérios deveria servir tambémpara nos recordar que devemos viver a vida na sua plenitude. Claro que a partir deste ponto o conceito de viver a vida na sua plenitude difere, para o padre era sofrer em vida para ganhar a vida eterna depois de morto, para mim é usufruir o melhor possível deste instante extremamente improvável que é estarmos vivos e conscientes disso, antes que o nada regresse a nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D