Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

28
Dez17

Desconstruir o absurdo à procura de um sentido

Entre balanços do ano que passou e resoluções e objetivos de ano novo, habituais nesta quadra, procura-se inventar a existência de um qualquer sentido no absurdo. Tal com o escultor que procura a beleza da estátua no bloco de pedra bruta, vamos, martelada a martelada, desconstruindo o sem-sentido do que nos rodeia à procura da beleza do sentido da vida, que só existe no nosso imaginário. Pois, nunca esqueçamos, que para o Universo o bloco de pedra é apenas um bloco de pedra, não há nele qualquer estátua.

27
Dez17

Memórias

Neste Natal, uma memória há muito desaparecida surgiu inesperadamente e convocou-me para vidas anteriores e para caminhos antigos que divergiram algures no tempo para nunca mais se cruzarem. Como a nossa memória nos esconde tanto. O que somos é genética e a soma do que nos aconteceu, mas o que nos aconteceu é tão volátil e subtil. O passado só existe em nós, enquanto guardamos dele algum vestigio. “Quando eu morrer, nada do nosso amor terá alguma vez existido” escreveu Jean Dupuy, mas creio que se enganou, porque o amor deixa de alguma vez ter existido no momento em que um dos amantes o esquece.

21
Dez17

A imaginar o passado e o futuro

O Homem não tem passado e não tem futuro. Do passado restam-nos apenas misteriosas ligações químicas entre neurónios, algo de misterioso, etéreo e fugaz a que chamamos memórias. O futuro, esse, não é nada, é só uma expetativa. A sabedoria suprema está em conseguir viver pelo o que acontece e não pelo o que aconteceu ou o que poderá acontecer. O instante é tudo o que nos resta. De resto, todo o passado e todo o futuro é imaginário.

20
Dez17

Se as condições fossem outras, nada seria diferente

Perguntas como me sinto. Vivo sem passado, sem futuro. Não pensar no que poderia ser o hoje, não sonhar o que será o amanhã. Não questionar porque não são as coisas diferentes. Não fazer planos. O que sinto é isto: não é alegria, não é tristeza, não é esperança, por vezes amor, por vezes desejo, e quase sempre coisa nenhuma. Mas, questiono, com o que sei sobre a natureza da vida humana: o que poderia ser diferente?

14
Dez17

Mistérios dos Tempos

O Tempo existe. Podemos dizer, recorrendo à desconstrução cartesiana, que sabemos que o tempo existe, porque existimos. O passo seguinte da premissa primordial do “Penso, logo existo”: existo, logo há Tempo. Sabemos que o Tempo é uma das dimensões do tecido de que o Universo foi construído: o espaço-tempo. O Tempo enquanto dimensão física é necessário para explicar a existência do mundo e as suas leis. Será o Tempo sempre igual, em todo o lado e a qualquer momento? Sabemos que não. O que havia antes de haver Tempo? Suspeito que nunca o saberemos.

 

Mas neste momento não é a metafísica do Tempo que me preocupa. Porque há um outro Tempo, o Tempo psicológico, aquele que existe em nós, o Tempo faz parte do tecido que constrói a nossa mente. E este Tempo não é o mesmo que o Tempo físico. É único para cada ser vivo. O Tempo da mente passa a velocidades diferentes em momentos diferentes. E certamente que será diferente para diferentes espécies aninais. Há animais efémeros que, no que para nós são apenas algumas horas, nascem, crescem, reproduzem-se, envelhecem e morrem: mas para esses animal, quanto Tempo viveu? Qual o Tempo que existiu para ele? E ao longo da nossa vida, será o nosso Tempo pessoal, sempre igual?

 

O Tempo não existe, o que existe são infinitas formas de Tempo. E constato que o Tempo da minha mente passa inexorável e cruel a uma velocidade assustadora. Como gostaria de conhecer o segredo para a fórmula de travar o meu tempo e viver o Infinito num momento. Porque o momento presente é realmente o único infinito que está ao nosso alcance.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.