Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

27
Ago18

O aprendiz de hedonista

A melhor forma de se viver é saber usufruir do prazer de cada momento precioso enquanto temos vida com autoconsciência e autonomia. Algo que é certo: isso vai acabar. Saber retirar o máximo de prazer, a nível físico, intelectual e sentimental, para nós e para os outros (pois o hedonismo nunca pode ser confundido com egoísmo ou egotismo), é o único sentido da vida a que podermos ambicionar. O hedonismo como filosofia de vida, parece-me assim o ideal a perseguir. Mas saber retirar o alegria de cada minuto, sem remorsos ou nostalgia pelo passado nem ansiedade ou medo pelo futuro, não é simples. Exige-nos uma aprendizagem e um treino constante. Não é hedonista quem quer, é hedonista quem o persegue, quem o pratica e quem o pensa a cada instante. Sou, portanto, um aprendiz de hedonista ou, sendo um pouco pessimista, talvez seja mesmo um hedonista falhado.

24
Ago18

Não ter a quem rezar

Não sendo crente tenho que observar o sofrimento humano sem a tentação de perguntar “porquê?” ou afirmar “não é justo”. O que acontece são simplesmente coisas que acontecem, acasos de um mundo sem qualquer sentido de justiça. Mas a tentação de ter alguém a quem recorrer, que nos ajude a resolver os problemas e a explicar o sentido das coisas, é enorme. É Humano, chega-nos da noite dos tempos ancestrais, quando o Homem se separou dos animais no momento em que inventou a religião. Mas hoje sou adulto e não tenho a quem rezar: é duro. É duro, especialmente hoje. Mas é tudo o que tenho.

 

23
Ago18

Negar a nossa insignificância

O grande mistério não é termos sido lançados aqui ao acaso, entre a profusão da matéria e das estrelas; é que, da nossa própria prisão, conseguimos extrair, de dentro de nós mesmos, imagens suficientemente poderosas para negar a nossa insignificância.

 

André Malraux

21
Ago18

O consolo da insignificância

Em Junho de 2015 escrevi neste espaço num texto intulado “A diferença entre existir e não existir”:

 

“A improbabilidade da nossa existência, que de matéria forjada nas estrelas se tenha produzido a vida, e que essa vida tenha ganho consciência e que essa consciência tenha uma ténue compreensão do que nos rodeia é algo de totalmente esmagador. Se nos fosse possível ter a noção dessa improbabilidade, de que não somos mais que uma fugaz organização de matéria que só foi possível por motivos fortuitos e da total impermanência da nossa existência poderia provocar um sentimento de total vazio, o terror da não existência: se não somos nada, mesmo nada, então o que vale o que sou agora? A minha existência é tão insignificante, é tão tendencialmente nula, que haverá alguma diferença entre existir e não existir?”

 

Mantendo a concordância com o que o meu “eu” daquele dia passado escreveu (o que seria perfeitamente natural que não se verificasse, o “eu” é algo em constante mutação), tenho hoje a perspectiva de que nossa insignificância deve ser motivo para valorizar a nossa existência, não o contrário. No Tempo a diferença entre a existência e a inexistência é de facto nula, mas no agora é tudo o que temos. O agora é tudo. O consolo da nossa insignificância é que, por cruel, sem sentido e esmagadoramente insignificante que seja a nossa vida, o simples facto de existir o agora terá que nos servir como único fundamento para a sabedoria de viver.

 

14
Ago18

Alquimia do medo

Colocados em frente ao incompreensível e à aridez da injustiça, soubeste hoje ter a coragem de enfrentar o destino e a sabedoria de manusear a alquimia do medo para, com cruéis ingredientes, recriar algo de verdadeiramente imortal: o amor

14
Ago18

O silêncio da voz interior

O que provavelmente mais surpreende quem se inicia na meditação e mindfullness é adquirir a consciência de que existe uma clara distinção entre o que é a nossa voz interior, os nossos pensamentos e emoções, e o “eu”. Conhecer esta distinção entre a mente e o “eu” é fundamental para que sejamos nós a controlar a nossa mente e não o inverso. Só é possível conseguirmos caminhar na direção do silêncio interior e da calma emocional se for o “eu” a controlar a mente. Posto isto, para mim a tarefa de dominar a nossa voz interior, os desvaneios inúteis da mente que subjugam a cada instante o “eu”, é difícil e permanente. É preciso estar atento à nossa mente, pois é precisamente os momentos difíceis, quando mais precisamos do nosso eu, que a mente se torna incontrolável.

13
Ago18

Miles Davis, Kind of Blue

kind of blue, miles davis.jpg

 

Se tivesse que escolher um único disco para representar o jazz, só poderia ser Kind of Blue de Miles. Editado em 1959, Kind of Blue foi um dos álbuns de jazz com maior sucesso de sempre. Para mim, representa a súmula do sentimento que só o jazz consegue transmitir e é um porto de abrigo seguro para dias melancólicos e introspetivos.

Pág. 1/2

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.