Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

25
Mai20

Ilusão e realidade

Reconhecer a realidade como uma forma da ilusão, e a ilusão como uma forma da realidade, é igualmente necessário e igualmente inútil.

 

14-5-1930

Livro do Desassossego por Bernardo Soares. Vol.II, Fernando Pessoa

 

25
Mai20

O tempo não existe

O tempo é ilusão. O passado são apenas memórias residentes no cérebro algures entre os nossos neurónios e as ligações das suas sinapses. As memórias são uma construção só nossa. O futuro é uma expectativa, apenas isso. O que existe é o agora, somente o Agora. O tempo psicológico é a ilusão  de uma continuidade entre passado e futuro criada pelo nosso cérebro, uma poderosa ilusão de uma linha que flui entre o passado, as nossas memórias, e um futuro que assumimos existir mas que não tem qualquer realidade.

 

Na física as conclusões são semelhantes: não existe tempo. O tempo único e Universal, o metrónomo que marca o ritmo universal, não existe. O Universo pode ser explicado matematicamente sem recurso a uma variável que represente o tempo.

 

Existe assim uma curiosa semelhança entre o entendimento do nosso tempo pessoal, o nosso Ser, e o atual conhecimento da ciência sobre o que é o tempo. Certamente que não é coincidência. Nem o tempo nem a realidade são o que nos parecem. O mundo e  tempo que conhecemos existe só dentro de nós, no nosso imagimário. Conseguir aceitar este facto, libertarmo-nos da ilusão do tempo, é uma profunda revolução que faz toda a diferença na forma como entendemos o que é vida e o que é viver.

 

A realidade não é o que parece, Carlo Rovelli.jpg

A realidade não é o que parece, Carlo Rovelli

 

O Poder do Agora, Eckhart Tolle.jpg

O Poder do Agora, Eckhart Tolle

 

 

 

 

 

15
Mai20

Cinco anos de Imaginário

 

Rua do Imaginário.JPG

 

Foi há cinco anos que iniciei o “Rua do Imaginário”. O que desde então aqui anotei, pequenos pensamentos, desabafos, inquietações, momentos, sentimentos ou poesia que me tocou de alguma forma especial, existe, real e concreto, no imaginário. Já não sou a mesma pessoa que há cinco anos iniciou estes apontamentos, isso é certo. Um pouco da história dessa transmutação contínua do eu a que chamamos viver está aqui descrita

 

E foi assim que tudo começou:

 

Em Évora existe uma rua chamada “Rua do Imaginário”. Não é propriamente uma rua, é uma travessa, estreita e um pouco retorcida, emuldurada de casas caiadas de branco e amarelo. Naquele dia estava deserta.

 

É um bonito nome para uma rua, um nome que por si só é um poema. Um nome que nos remete para um mundo íntimo e irreal. Sim, é íntimo, mas não irreal. Tudo o que é verdadeiramente importante é o que existe no nosso imaginário, a realidade é só um constrangimento. O que existe é o que acreditamos que existe e nada morre verdadeiramente enquanto existir no nosso imaginário.

 

Na idade dos porquês perguntavam-me os meus filhos se a fada dos dentes existe. A resposta, só pode ser uma: sim, existe enquanto acreditarem que existe. Como existem dragões, unicórnios, a justiça, o amor ou o sentido da vida.

 

O imaginário é a realidade mais importante.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.