Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

23
Abr21

"Todas as famílias felizes se parecem, cada família infeliz é infeliz à sua maneira"

Esta é a notória primeira frase do romance Anna Karenina, de Tolstoi. Este é também um dos motes do romance de Afonso Cruz, “Princípio de Karenina”. É uma longa carta de um homem a uma filha que nunca conheceu. Uma carta de despedida. Um homem que foi educado a ter medo da diferença, do que nos é estranho, do que vem de fora de nós. Para ele a distância media-se em phobos, em medos. Mas que acaba por se apaixonar pelo que de mais estrangeiro poderia existir, pelo arquétipo da distância, uma mulher da Conchichina.  Uma nota também para as belas fotos do autor que acompanham esta edição.

 

Sabemos bem que em quase tudo só há uma forma de estarmos certos e infinitas maneiras de estarmos errados. Mas, como bem salienta Afonso Cruz, com a felicidade não é bem assim. Há muitas formas de se ser feliz, ao contrário do que refere a frase mote deste livro. A própria tristeza pode ser uma excelente lugar para se ser feliz. O mundo perfeito não existe para ninguém, há quem tenha vidas melhores, há quem tenha vidas piores, há quem tenha vidas tão difíceis que nem as conseguimos imaginar. Mas, isto é certo, todos nascemos para sofrer, nesse aspecto todos somos iguais. O que nos distingue é que alguns de nós, por alguma razão, conhecem a alquimia de extrair a felicidade da efémera, sempre imperfeita, mas maravilhosa improbabilidade que é sentirmos o tempo.

 

Parece-me que Abraham Lincoln conseguiu resumir bem o que é isto de se conseguir ser feliz:

As pessoas são, em geral, tão felizes quanto decidem ser.

 

Livro: Princípio de Karenina, Afonso Cruz, Companhia das Letras

13
Abr21

Nómadas

O amor é partilhar o Tempo, é viajar para fora de nós, é manter a alma espantada pelo mistério da existência. É assombro pela beleza do Universo. É desejo, como uma sede nunca satisfeita. É gratidão permanente pela improbabilidade de cada segundo. Tudo isto, e não só, é amor.

Mas, lebasI Knitter, o melhor é deixar para a poesia, o que somente a poesia o consegue dizer.

 

NÓMADAS

Só o amor pára o tempo (só

ele detém a voragem)

rasgámos cidades a meio

(cruzámos rios e lagos)

disponíveis para lugares com nomes

impronunciáveis. É preciso percorrer os mapas

mais ao acaso

(jamais evitar fronteiras

nunca ficar para trás)

tudo nos deve assombrar como

neve

em Abril. Só o amor pára o tempo só

nele perdura o enigma

(lançar pedras sem forma e o lago

devolver círculos).

 

João Luís Barreto Guimarães, incluído na antologia do autor “O tempo avança por sílabas” - Quetzal, 2019

 

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.