Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

18
Mai15

Explosão de Primavera

Quando foram podadas as roseiras eram uns arbustos despenteados de ramos espinhosos, despidos e anárquicos. Agora, apenas algumas semanas depois, na explosão da Primavera, estão vestidas de folhas, cheias de botões e enfeitadas com belas rosas coloridas. Orgulhosas e altivas. É possível notar as diferenças em poucas horas numa rosa a desabrochar. É a Primavera a acontecer e é algo de maravilhoso.

 

O mistério da Primavera, um movimento que acontece por algo que nos é superior, serve para nos lembrar que, as roseiras como nós, todos somos peças de um mesmo mecanismo improvável: a vida. Nunca devemos perder a nossa capacidade de nos espantar com a vida, a sua improbabilidade, a sua variedade, a sua força e, também, com a sua fragilidade. A vida é resultado de um equilíbrio complexo e extramente instável.

 

É caso para recordar o excerto do poema de António Machado: La primavera ha venido, nadie sabe cómo ha sido.

 

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.