Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

23
Jun16

Livre arbítrio, I

No nosso dia-a-dia, raramente duvidamos que somos capazes de tomar determinadas decisões, e de que somos livres para o fazer. Se ficamos a dormir mais 5 minutos depois do despertador tocar, o que comemos ao pequeno-almoço, a roupa que decidimos vestir, o caminho que escolhemos para ir trabalhar, etc. Em cada dia tomamos centenas de decisões e nunca colocamos em dúvida que foram decisões que só dependeram da nossa vontade e que, se assim quiséssemos, podíamos ter decidido de forma diferente. O nosso sentimento de possuirmos livre arbítrio é extremamente forte e raramente é questionado.

 

Mas em tudo que nos rodeia não conhecemos nada que tenha este comportamento. O que acontece obedece a um determinado algoritmo, a um conjunto de regras pré-definidas (quer sejam do nosso conhecimento ou não) e sempre que as condições iniciais são as mesmas o resultado esperado é o mesmo. Se de manhã, quando em levanto ainda ensonado, embato na porta fechada da casa de banho, a porta vai magoar-me. A porta fechada não decide uns dias barrar o caminho e outros dias ser benevolente e deixar-me passar através dela. Se de manhã ligo o motor do meu carro, estando todas as condições reunidas para o motor funcionar, o motor do carro começa a funcionar. O motor não decide começar a funcionar uns dias e noutros não o fazer.

 

Sendo assim, a questão é: porque será o funcionamento do nosso cérebro distinto? Porque aceitamos com tanta naturalidade que decidimos? O funcionamento do nosso cérebro depende de uma miríade de fatores, muitos dos quais não conhecemos, mas estando o nosso cérebro em determinada configuração, será de facto possível decidirmos algo? Ou, nessas condições, o seu comportamento seria inevitavelmente sempre o mesmo? O nosso cérebro não passa de uma máquina física e química extremamente complexa e, tanto quando sabemos, uma máquina não tem lugar para a aleatoriedade. Aparentemente seria possível, para algum ser que tivesse na posse de todos os dados e conhecesse todas as leis físicas, prever cada uma das nossas decisões. O que decidimos é inevitável.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.