Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

30
Mai16

O dilema do ecologista

Tem-se assistido à tendência crescente dos consumidores mais preocupados com o impacto no planeta e na saúde humana da industrialização da produção agrícola a consumir produtos orgânicos e biológicos. Surpreendentemente algumas vezes as boas intenções não correspondem aos resultados, e esta talvez seja uma dessas situações. Matt Ridley, autor do livro “O otimista racional”, defende que esta tendência é tremendamente prejudicial para o planeta e que se viesse a ser este um hábito de consumo generalizado poderia colocar em risco a sobrevivência do planeta. A lógica da argumentação é simples e, para um não especialista no assunto, aparentemente sólida: a produção orgânica ou biológica abdica da utilização de tecnologias hoje ao nosso dispor, o que implica uma produção de menor quantidade por hectare e a necessidade de utilização de terrenos adicionais para suporte a esta produção, nomeadamente para produzir os fertilizantes naturais necessários. O aumento da área necessária para produzir a mesma quantidade de alimentos é dramática e teria um impacto catastrófico no nosso planeta, obrigando os agricultores a conquistar terrenos a zonas hoje selvagens, sejam florestas, pântanos ou desertos. As consequências ambientais seriam trágicas.

 

De acordo com este autor a solução para a produção de alimentos não está assim num regresso nostálgico à produção orgânica do passado, inviável para alimentar os sete mil milhões de seres deste planeta, mas sim uma aposta ainda maior no aumento da produtividade e da qualidade dos alimentos produzidos. O aumento da produtividade e da qualidade que está ao nosso alcance com a modificação genética das espécies, onde ainda estamos a dar os primeiros passos, e que permite produzir mais com menos terreno e menos pesticidas, logo, com menor impacto ambiental.

 

Este é o terrível dilema do ecologista, que no fundo é de todos: a solução para o nosso planeta talvez não esteja num regresso à natureza. O aumento da população não nos deixa outra alternativa do que investir na tecnologia para conseguirmos alimentar os humanos sem destruir, ainda mais, o planeta. O regresso a métodos de produção naturais é inviável para esta densidade populacional e a melhor forma de proteger o planeta é investir em mais inovação e adotar práticas que, aparentemente, parecem perigosas e contrárias à ecologia. Um exemplo é a modificação genética de espécies, que é rejeitada pela grande maioria das organizações ambientalistas, sendo inclusivamente proibida em muitos países, mas tem potencial para garantir formas de produzir mais alimentos com um impacto muito mais reduzido sobre o nosso planeta. A contradição é que ao lutar contra estas inovações, as organizações ecologistas talvez esteja a prejudicar o nosso planeta.

 

Livro: “O otimista racional”, Matt Ridley

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.