Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Plenitude

19.02.18

Na rotina urbana que me é exigida (ou que eu me imponho, porque afinal é preciso de pensar que sou livre) sinto falta da Natureza. Sentir o vento gelado de um dia de Inverno, analisar as cores de um pô-de-sol, absorver o calor íntimo do Sol num dia frio, observar se e o vento sopra de Norte ou de Leste, respirar o ar claro e leve das montanhas, mexer na terra e na lama. Somos animais, os séculos de civilização apenas serviram para nos cobrir com uma fina camada de verniz. Viver na cidade protegidos por betão, rodeados de multidões (e no entanto solitários) a respirar ares mortíferos e a lutar constantemente contra o tempo, é viver longe de nós próprios. A cidade é um paradoxo, onde uma maior concentração de humanos significa uma redução da humanidade. Para mim, tenho certo de que a plenitude, se algum dia a encontrar, não será na cidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D