Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

27
Mai16

Porquê eu?

Porquê eu? Imagino que esta deva ser a cruel interrogação de todos os que enfrentam uma suprema injustiça, por exemplo, de uma doença grave e potencialmente mortal. O ser humano tem essa necessidade de deslumbrar um sentimento de justiça, uma ordem no mundo, uma relação entre o que somos e o que merecemos. Mas todos sabemos, e todos o teremos que admitir, que o Universo é totalmente indiferente ao que nos acontece. As coisas acontecem, pronto. Não qualquer ideia de justiça, este é um conceito estranho às leis da Natureza. Mas sim, é impossível não colocar a interrogação: Porquê eu? E para esta questão, a resposta não existe. E enquanto não chega a nossa vez de colocar essa questão, devemos recordar-nos que a vida, e a consciência que dela temos, é um dom improvável, impermanente e que todos os dias nos devíamos questionar: o que devo fazer hoje para usufruir desta enorme improbabilidade que é estar vivo e com saúde?

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.