Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

11
Ago15

Simplicidade e beleza

Ao ler sobre o estado da arte da ciência do estranho mundo das partículas sub-atómicas, dos quarks e afins, fica-se com uma estranha sensação de incómodo, com um certo desconforto intelectual. A investigação neste campo tem revelado um sem-número de partículas, com diferentes “sabores” e intricados comportamentos, fórmulas matemáticas retorcidas impossíveis de compreender para um não-iniciado na ciência das partículas sub-atómicas. É um mundo de uma complexidade extrema que neste momento está (estará para sempre?) fora do alcance intelectual de quem não seja um conhecedor desta área de conhecimento. E tudo indica que a complexidade vai continuar a aumentar, é uma área da ciência que vive uma efervescência de descoberta constante.

 

Onde nos levará este aprofundar do conhecimento? Seja onde for, nada indica que o destino seja uma paisagem simples…e beleza é também simplicidade. Onde estão a teorias matematicamente belas de Newton, de Maxwell ou mesmo de Einstein? A Humanidade precisa que as leis que regem  o Universo sejam simples e que possam se compreensíveis pelos nossos cérebros. 

 

Perante este desconforto pela complexidade das fundações do nosso mundo a dúvida, ou o desejo, é sobre se a ciência estará a seguir o caminho certo. O que se deseja urgentemente é do surgimento de um génio que, com uma ideia simples, faça um corte epistemológico e nos faça regressar às belas fórmulas. É a famosa “teoria da unificação”, o verdadeiro Santo Graal da ciência dos nossos dias. Mas infelizmente tudo indica que cada vez estamos mais longe da possibilidade dessa teoria única e bela que explique as leis do Universo.  Mas algo nos diz que essa lei tem que existir.

 

Será que a complexidade do mundo está fora do alcance intelectual dos humanos? É certamente uma visão antropocêntrica, mas a linguagem do Universo deveria ser acessível ao nosso cérebro. Seria essa a maior beleza da explicação do Universo.

 

Breve história de quase tudo, Bill Bryson (1).jpg

Breve história de quase tudo, Bill Bryson

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.