Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

rua do imaginário

Porque existe algo em vez do nada?

Porque existe algo em vez do nada?

rua do imaginário

26
Out20

Mundos possíveis

“Cosmos – Mundos Possíveis" de Ann Druyan é um livro, e uma serie de televisão, sobre o esplendor do Universo mas, e principalmente, sobre a maravilhosa aventura do conhecimento da Humanidade que nos permite conseguir começar a vislumbrar a linguagem em que o Universo está escrito. É uma mensagem sobre a infinita variedade da existência e as enormes possibilidades da inteligência. E é, também, sobre a nossa insignificância individual.

 

No "Terra inabitável" somos cilindrados com dureza pelo egoísmo do Homem que está a levar o planeta a um desiquilibrio catastrófico. Neste "Cosmos  - Mundos Possíveis" recebemos a profunda beleza da maior construção da Humanidade, em que geração após geração, homens e mulheres movidos apenas pela curiosidade vão desbravando a ignorância e construindo a catedral do conhecimento.

 

Mas não é exactamente sobre o livro "Cosmos – Mundos Possíveis", nem sobre a dicotomia magnificiência/inconsciência da humanidade que quero aqui escrever, mas sobre o amor entre Ann Druyan e Carl Sagan. Porque, de entre todos os mistérios do Universo, o amor será sempre o maior e mais belo de todos.

 

Quando nos apaixonámos, para mim foi como descobrir um mundo novo. Um mundo que eu tivera esperança que existisse mas nunca tivera oportunidade de ver. Neste novo mundo a realidade excedia a fantasia em todos os sentidos.

(...)

Numa noite estrelada, juntos num convés de um navio no Pacífico, vimos um casal de golfinhos a acompanhar-nos. Ficámos a vê-los talvez durante dez minutos quando de súbito, num único movimento gracioso, deram um mergulho em ângulo recto e desapareceram no mar profundo. Moveram-se em uníssono, como se tivessem comunicado de alguma maneira misteriosa. Carl olhou para mim e sorriu: “Somos nós, Annie”, disse ele.

 

Cosmoa - Mundos Possíveis, Ann Druyan.jpg

Cosmos - Mundos Possíveis, Ann Druyan, edição: Gradiva

 

 

20
Out20

Terra Inabitável

“A Terra Inabitável – Como vai ser a vida pós-aquecimento global” de  David Wallace-Wells pretende ser um dramático grito de alerta e um forte abanão para acordar consciências perante os efeitos trágicos que as alterações climáticas irão ter sobre o nosso planeta. E, nesse sentido, é extremamente eficaz. Fica claro que as alterações climáticas não são uma questão do incómodo de suportar temperaturas uns graus mais elevadas, ou tempestades mais intensas de quando em vez, ou que apenas afectam populações de países sub-desenvolvidos e distantes de nós. São consequências que vão, e já estão, a provocar a morte de milhões de pessoas, em todas as latitudes do planeta, em países ricos ou pobres. Todos somos ou seremos vítimas, mais cedo do que imaginamos.

 

Os efeitos das alterações climáticas são descritos ao pormenor, sempre com base científica, e nem o facto de o que vier a acontecer ainda depender do que for a nossa ação nos próximos anos nos pode tranquilizar de alguma forma. Mesmo no improvável cenário de a reação da humanidade ser extremamente rápida e eficaz, os efeitos serão extremamente graves. O livro está fundamentamente dividido duas partes, numa primeira parte o autor percorre todos os efeitos que as alterações climáticas terão sobre as nossa vidas, todas as formas em que irão provocar mortos e sofrimento. Numa segunda parte do livro  o autor tenta compreender os motivos para, perante toda a evidência cientifíca do que nos vai acontecer e as consequências esmagadoras, o estranho facto de a humanidade continuar tranquila e indiferente.

 

E é sobre as razões dessa indiferença, dessa estranha incapacidade de ver a tragédia à nossa frente, que é curioso refletir um pouco. Existem diferentes motivos para esta ignorância, alguns principais que passo a indicar, e um outro motivo adicional que talvez seja o mais importante.

 

As alterações no planeta decorrem a uma escala muito lenta

Este é provavelmente o pior erro. As alterações climáticas estão a ser catastróficas e extremamente rápidas. Isto porque é um fenómeno que se auto-alimenta provocando que o aumento de velocidade do desiquilibrio não seja linear mas exponencial. Um exemplo: a queima de combustíveis fósseis liberta dióxido de carbono que provoca efeito de estufa. O aquecimento diminui a superfície gelada nos pólos, o que diminui a reflexão da luz (o designado efeito albedo) o que provoca mais aquecimento. Este aquecimento provoca que a camada de permafrost (solo que está permanentemente congelado) que cobre as superficies árticas comece a descongelar, o que liberta enormes quantidades de metano (que é um poderoso gás de efeito de esstufa) e outros gases, o que aumenta o aquecimento. Podia-se continuar, mas é fácil entender que a noção que este tipo de alterações climáticas são lentas e cujos os efeitos demoram milénios a fazerem-se sentir pode ser extremamente errada. Depois de se iniciar um processo de desiquílibrio o ecosistema pode desmoronar-se de forma catastrófica muito rapidamente.

 

Homem e Natureza são coisas distintas

Foi há mais de 450 anos que Copérnico retirou o Homem do centro do Universo e há mais de 150 anos que Charles Darwin lhe retirou o estatuto de espécie priviligiada da restante vida. No entanto, o conceito de que o Homem é, na sua substância, diferente dos restantes ser vivos que connosco partilham o planeta ainda persiste. A ideia que as consequências das alterações climáticas poderá provocar a extinção em massa de inúmeras espécies, mas que o Homem vive numa bolha isolada e que não faz parte da Natureza, é obviamente incorreta. Tudo o que comemos e todo o ar que respiramos vem da Natureza e nós dependemos totalmente, tal como qualquer outro ser vivo, das condições do nosso planeta, que é muito mais que apenas a nossa casa.

 

A tecnologia consegue resolver todos os nossos problemas

Esta é uma ideia muito recente, mas bem enraizada. Existe o conceito que a ciência e a tecnologia conseguem sempre, mais cedo ou mais tarde, resolver os problemas. É consequência de vivermos numa civilização que endeusa a tecnologia. Neste aspecto a recente pandemia veio abalar muitas certezas quando, perante uma doença que paralisou o mundo, a ciência se viu impotente para no imediato o evitar. As alterações climáticas são um fenómeno extremamente complexo, um hiper-objecto, no termo cunhado por Timothy Morton, em que ninguém isoladamente terá a capacidade para perceber todas as suas complexidades, interligações e consequências. Pensar que a tecnologia será suficiente para salvar a humanidade é somente ingénuo.

 

Finalmente há um outro motivo adicional: o egoísmo. Apesar de muitos estarmos conscientes dos impactos, poucos estão dispostos a abdicar do seu conforto e da recompensa imediata do seu estilo de vida para nos salvarmos a nós e os que vierem depois de nós. Há algo que é preciso ficar claro: não é o planeta que está em causa, somos nós. E não estamos a falar dos nossos bisnetos que já não iremos conhecer, estamos a falar de nós e dos nossos filhos. O planeta Terra já superou cinco grandes eventos de extinção massiva e vai superar mais este que neste momento estamos a provocar. Quem não ira sobreviver é a Humanidade.

 

A Terra Inabitável, David Wallace-Wells.jpg

A Terra Inabitável, David Wallace-Wells.edição Lua de Papel

 

25
Mai20

O tempo não existe

O tempo é ilusão. O passado são apenas memórias residentes no cérebro algures entre os nossos neurónios e as ligações das suas sinapses. As memórias são uma construção só nossa. O futuro é uma expectativa, apenas isso. O que existe é o agora, somente o Agora. O tempo psicológico é a ilusão  de uma continuidade entre passado e futuro criada pelo nosso cérebro, uma poderosa ilusão de uma linha que flui entre o passado, as nossas memórias, e um futuro que assumimos existir mas que não tem qualquer realidade.

 

Na física as conclusões são semelhantes: não existe tempo. O tempo único e Universal, o metrónomo que marca o ritmo universal, não existe. O Universo pode ser explicado matematicamente sem recurso a uma variável que represente o tempo.

 

Existe assim uma curiosa semelhança entre o entendimento do nosso tempo pessoal, o nosso Ser, e o atual conhecimento da ciência sobre o que é o tempo. Certamente que não é coincidência. Nem o tempo nem a realidade são o que nos parecem. O mundo e  tempo que conhecemos existe só dentro de nós, no nosso imagimário. Conseguir aceitar este facto, libertarmo-nos da ilusão do tempo, é uma profunda revolução que faz toda a diferença na forma como entendemos o que é vida e o que é viver.

 

A realidade não é o que parece, Carlo Rovelli.jpg

A realidade não é o que parece, Carlo Rovelli

 

O Poder do Agora, Eckhart Tolle.jpg

O Poder do Agora, Eckhart Tolle

 

 

 

 

 

23
Jun19

Ver devagar

Aquilo que consideramos que é um pensamento não é algo que possa ser definido, a complexidade do nosso cérebro estará muito para além da nossa capacidade de o entender. Mas, de uma forma simplista, podemos dizer que existem diferentes tipos de pensamento consciente: sentimentos, imagens, pensamento rápido e pensamento lento.

 

O pensamento rápido são as nossas reações por instinto, as decisões que fazemos sem racionalizar, de imediato ou de reação. Este é o tipo de pensamento que nos permitiu sobreviver enquanto espécie durante milhares de anos e que hoje é a base da sociedade de consumo. O bom cidadão, nesta sociedade, compra por instinto para satisfazer emoções imediatas.

 

O pensamento lento trata-se de todo o pensamento que exige uma racionalização, uma sequência de ideias de causa efeito. A linguagem é a estrutura inseparável do pensamento lento.  É este pensamento que nos permite a religião, o inventar, o criar e que nos permitiu transformar-nos de criatura em criador.

 

No livro "Elogio da palavra" o seu autor, Lamberto Maffei, elabora sobre a diferença entre o olhar e o ver.  O ver consiste na interpretação que cada um faz do que recebemos quando olhamos. O ver, a interpretação, para ser o mais produtiva possível recorre ao pensamento lento. O que vemos é algo de muito pessoal, que depende não só do que somos geneticamente mas também do nosso passado, do que aprendemos ao longo da vida, da nossa forma de viver e da nossa linguagem (na medida de que o pensamento lento é inseparável da linguagem). Numa frase, pode resumir-se ao seguinte: quem sabe mais vê mais.

 

Por este motivo é especialmente fustrante quando olhamos e não conseguimos ver.  Esquecemo-nos de utilizar o pensamento lento e vemos com o pensamento rápido. É um erro comum nestes tempos. Mas é sempre uma falha nossa, muito pessoal. Quem quer crescer tem também que aprender a ver mais devagar para ver mais.

 

Elogio da Palavra, Lamberto Maffei (1).jpg

 "Elogio da palavra", Lamberto Maffei, Edições 70

 

23
Abr19

O preço da felicidade

DSC_0159 (2).JPG

 

A felicidade, enquanto estado de momento, é algo inalcançável. Tal como o horizonte, quanto mais caminhamos em sua direção mais de afasta. Isto é evidente, não fosse a tragedia de nestes tempos de consumismos sermos permanentemente, e desde da mais tenra infância, inundados com o conceito de que a felicidade é algo que se pode obter, principalmente se custar dinheiro e der lucro a alguém. É curioso como é rara a revolta quando, neste comércio da felicidade, não se obtém o resultado pretendido e se exige a devolução do dinheiro gasto no perfume caríssimo, no automóvel exclusivo, nas férias exóticas ou no telemóvel topo-de-gama, depois de verificar que a sua aquisição não o nos deixou nem um milímetro mais perto de atingir a felicidade. Não se exige a devolução porque, no que diz respeito à felicidade, o importante é que exista esperança de a atingir. Enquanto houver esperança de um dia chegarmos à felicidade somos, de uma certa maneira, felizes.

 

Mas a realidade é diferente e a felicidade não é uma emoção de momento. Emoções de momento são a alegria ou o bem-estar. A felicidade é algo de mais difuso, um permanente ruído de fundo, que não se atinge atirando dinheiro para cima da nossa vida. É um subproduto de uma vida vivida da forma correta, nada mais. É o resultado de um esforço, não para se ser feliz, mas de viver a vida da melhor maneira possível. A felicidade, tal como o amor, não se procura nem se compra, acontece-nos se tivermos a sorte e a arte para a merecer.

 

A Arte da Vida, Zygmunt Bauman (1).png

A Arte da Vida, Zygmunt Bauman, Edição: Relógio D'Água

 

28
Jan19

Parábola do elefante e dos cegos

- Imagine um elefante – repetiu Raskolnikov.

- Imagine que uns quantos cegos dele se abeiram para o descrever. O primeiro, por apalpar a tromba, diz que o elefante se assemelha a uma cobra. O segundo, porque apalpa uma pata, diz que um elefante é como a coluna do templo de Shiva. Outro, o terceiro, por agarrar a cauda, julga que um elefante é como uma corda. O quarto, por apalpar a orelha, diz que o animal é parecido com um leque muito grande. O que se encostou ao corpo do elefante diz que ele se parece com uma parede. O sexto, que ficou sob o elefante, sob o seu peso, diz que ele se parece com o seu amigo Bombo.

E nós, caro Bonfim, lembramo-nos das coisas como os cegos a apalparem um elefante. Lembro isto porque poderá ajudá-lo um dia. Todos nós teremos, se não temos já, um elefante para perceber. E a questão é percebê-lo todo. Meu caro senhor, eu compreendi muito bem que o passado pode ter um grande futuro pela frente.

 

Os livros que devoraram o meu pai, Afonso Cruz (1).jpg

Afonso Cruz , Os livros que devoraram o meu pai

 

12
Dez18

A Verdade

Uma das “lições” de Yuval Noah Harari  no livro “21 Lições para o Século XXI” diz respeito ao conceito de verdade. E a lição é que não há ninguém, nenhum líder, nenhum cientista, nenhum filósofo, nenhum visionário, enfim, ninguém que tenha a noção do que é a verdade. A verdade é demasiado complexa para que uma única pessoa consiga ter o conhecimento e a capacidade de dedução que lhe permita compreender a maioria dos temas. Talvez, apenas talvez, todos nós enquanto espécie tenhamos esse conhecimento difuso, mas não existe um qualquer individuo que tenha a visão global. Vivemos tempos de hiperespecialização, em que cada um, com sorte, apenas pode conhecer em profundidade um assunto muito especifico. Do resto, apenas conhecemos a espuma. O filósofo  Timothy Morton cunhou o termo “hiperobjeto” para descrever precisamente essa complexidade. A interligação entre todos os acontecimentos, as inúmeras variáveis que os podem influenciar e o facto de estarmos dentro do problema (e é preciso sair do problema para o conseguir ver) impedem qualquer compreensão individual do que acontece. O aquecimento global, os movimentos sociais, o conteúdo da internet ou o fluir da nossa própria existência são hiperobjetos que nos estão inacessíveis.

 

Este conceito de verdade inacessível releva uma epifania: não há ninguém que perceba o que nos está acontecer, não há ninguém que saiba para onde estamos a ir. E esse é o consolo.

 

21 Lições para o Século XXI, Yuval Noah Harari (1).jpg

Livro: 21 Lições para o Século XXI, Yuval Noah Harari 

 

21
Nov18

A origem de todos os sofrimentos

 

O tempo é isso, e por isso nos fascina e inquieta, e talvez também por isso, leitor, irmão, está a ler este livro. Porque não é mais que uma instável estrutura do mundo, uma flutuação efémera no acontecer do mundo, aquilo que tem a característica de dar origem ao que somos: seres feitos de tempo. Que nos faz existir, que nos dá o presente precioso da nossa própria existência, que nos permite criar a ilusão da permanência, que é a origem de todos os nossos sofrimentos.

 

A ordem do tempo, Carlos Rovelli (7).jpg

A ordem do tempo, Carlos Rovelli, Ed. Objetiva 2018

 

16
Nov18

O Beijo

O Universo é descrito melhor em termos de eventos do que de existência. Carlo Rovelli descreve a diferença da seguinte forma: um beijo é um evento, uma pedra é uma existência. Se faz sentido perguntar onde estava aquela pedra ontem ou onde estará amanhã, fará algum sentido questionar onde estava ontem este beijo que te dou agora ou onde estará ele amanhã? E é isso que nós somos: um evento, uma complexa reação física e química, em constante mutação, num equilíbrio efémero, uma chama que se auto-consome que, por mero acaso e sem ser esse o objetivo, deu origem à consciência. Impermanentes por definição. Qual o sentido de perguntar onde estava eu antes de existir ou onde estarei depois de terminar? O que sobrará de mim? O mesmo o que sobrou daquele beijo imaginado: uma suave memória da sua existência.

 

A ordem do tempo, Carlos Rovelli (8).jpg

A ordem do tempo, Carlos Rovelli, Ed. Objetiva 2018

 

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.