Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo.

 

Mal de te amar neste lugar de imperfeição

Onde tudo nos quebra e emudece

Onde tudo nos mente e nos separa

 

 

Sophia de Mello Breyner Andresen

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

Para ser grande, sê inteiro: nada

        Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és

        No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda

        Brilha, porque alta vive.

 

Ricardo Reis

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A importância

23.07.18

Depois de uma tarde a tratar do jardim

A nossa vida

Importa menos

 

José Tolentino de Mendonça, A papoila e o monge, ed. Assírio & Alvim

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

a alegria: um pequeno desencanto da morte

 

Rui Nunes, Ofício de Vésperas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

The Laughing Heart

 

your life is your life
don’t let it be clubbed into dank submission.
be on the watch.
there are ways out.
there is light somewhere.
it may not be much light but
it beats the darkness.
be on the watch.
the gods will offer you chances.
know them.
take them.
you can’t beat death but
you can beat death in life, sometimes.
and the more often you learn to do it,
the more light there will be.
your life is your life.
know it while you have it.
you are marvelous
the gods wait to delight
in you.

 

Charles Bukowski

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

Nunca encontrei um pássaro morto na floresta.

 

Em vão andei toda a manhã

a procurar entre as árvores

um cadáver pequenino

que desse o sangue às flores

e as asas às folhas secas…

 

Os pássaros quando morrem

caem no céu.

 

 

José Gomes Ferreira

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O Inferno

são os outros

mas o Céu

também

 

Adília Lopes

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O poema ensina a cair 
sobre os vários solos 
desde perder o chão repentino sob os pés 
como se perde os sentidos numa 
queda de amor, ao encontro 
do cabo onde a terra abate e 
a fecunda ausência excede 

até à queda vinda 
da lenta volúpia de cair, 
quando a face atinge o solo 
numa curva delgada subtil 
uma vénia a ninguém de especial 
ou especialmente a nós uma homenagem 
póstuma. 

Luiza Neto Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Rotina

07.03.18

 

 

Ao abrir a janela do quarto para outras
janelas de outros quartos, ao veres a rua que desemboca
noutras ruas, e as pessoas que se cruzam, no início da
manhã, sem pensarem com quem se cruzam
em cada início da manhã, talvez te apeteça
voltar para dentro, onde ninguém te espera. Mas
o dia nasceu – um outro dia, e a contagem do tempo
começou a partir do momento em que
abriste a janela, e em que todas as janelas
da rua se abriram, como a tua. Então, resta-te
saber com quem te irás cruzar, esta manhã: se
o rosto que vais fixar, por uns instantes, retribuirá
o teu gesto; ou se alguém, no primeiro café que
tomares, te devolverá a mesma inquietação
que saboreias, enquanto esperas que o líquido
arrefeça.

 

Nuno Júdice

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Impermanência

02.02.18

Devemos estar preparados para a impermanência de todas as coisas. O devir  é intrínseco à vida. No entanto, e estranhamente, estamos especialmente mal preparados para aceitar a mudança não planeada nas nossas vidas. Dwight D. Eisenhower dizia que “Plans Are Worthless, But Planning Is Everything”. Os nossos planos não valem nada, a vida inevitavelmente irá mostrar-nos isso. "Se queres fazer Deus rir é contar-lhe os teus planos para o futuro", disse Woody Allen.

 

(Afonso Cruz, em Jalan Jalan, escreve que "Deus não ri", pois o humor depende do inesperado e para Deus, sendo omnisciente, não existe inesperado. A não ser, talvez, que se ria com o humor negro dos nossos planos inúteis e ridículos.)

 

A solução está em viver o momento, já que o futuro, como diz o poeta, é apenas mais uma curva na estrada e o que está para lá da curva não sei nem pergunto. A sabedoria de viver é conseguir usufruir dos pequenos prazeres imediatos da vida, um dia de cada vez, usufruindo de cada instante da improbabilidade da nossa existência, abdicando dos planos, mas não do planeamento. Nem do espanto de se estar vivo.

 

Para Além da Curva da Estrada

 

Para além da curva da estrada 
Talvez haja um poço, e talvez um castelo, 
E talvez apenas a continuação da estrada. 
Não sei nem pergunto. 
Enquanto vou na estrada antes da curva 
Só olho para a estrada antes da curva, 
Porque não posso ver senão a estrada antes da curva. 
De nada me serviria estar olhando para outro lado 
E para aquilo que não vejo. 
Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos. 
Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer. 
Se há alguém para além da curva da estrada, 
Esses que se preocupem com o que há para além da curva da estrada. 
Essa é que é a estrada para eles. 
Se nós tivermos que chegar lá, quando lá chegarmos saberemos. 
Por ora só sabemos que lá não estamos. 
Aqui há só a estrada antes da curva, e antes da curva 
Há a estrada sem curva nenhuma. 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D