Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tempos modernos

26.01.16

Na gestão de empresas fria e contabilística dos tempos que vivemos as pessoas são consideradas como recursos e tratadas de forma numérica e unidimensional numa qualquer folha de cálculo. Uma empresa não é feita por “colaboradores”, termo que é hoje usual utilizar, mas por trabalhadores, pessoas que dão o que têm de mais precioso, que é o seu tempo, pelo bem comum de uma comunidade de trabalhadores, clientes, fornecedores e, em última análise, pela sociedade em geral. O objetivo último não é o bem da empresa, que não é mais que uma ficção, mas o bem das pessoas reais, pessoas com personalidade, família, ideias e fraquezas. A empresa é o meio, não o fim.

 

A ética terá de ser sempre um imperativo, qualquer que seja a teoria moderna de gestão que se utilize. O que não acontece. E quem é dono de uma empresa não pode dizer que, por ser sua posse, pode fazer o que bem entende: uma empresa emerge da sociedade, que justifica a existência da empresa, e tem obrigações para com essa sociedade. O dono não pode ser parasita da sua propriedade, a empresa tem obrigações para com a sociedade.

 

Certamente que o génio de Charlie Chaplin saberia encontrar a forma certeira de ridiculizar estes tempos modernos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Links

  •  

  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D